Agência Brasil

A senadora Simone Tebet (MS) foi confirmada nesta quarta-feira (27) pelo MDB como candidata à Presidência da República com boicote de estados como Alagoas e Paraíba, que apoiam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e sem definição sobre o vice a ser indicado pela federação PSDB-Cidadania.

A senadora recebeu 262 votos sim e 9 votos contrários dos 182 votantes –cada um pode ter mais de um voto. Mais cedo, o nome de Tebet foi aprovado por unanimidade pelos 19 votantes da federação PSDB-Cidadania. Ela foi apontada candidata única de MDB, PSDB e Cidadania em 18 de maio, mas precisava ter o nome chancelado nas convenções nacionais.

A convenção foi marcada por críticas de membros do partido alinhados ao presidente nacional, Baleia Rossi (SP), contra a ala que abriu divergência em relação ao nome de Simone Tebet e buscou minar a candidatura da senadora. Ninguém se manifestou contra Tebet no evento.

Prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes declarou apoio “total e irrestrito” a Tebet e, sem citar nomes, criticou os que tentam usar o partido para atingir interesses regionais.

Carlos Marun, ex-ministro do governo Michel Temer, reconheceu que o partido não estava unido e apelou aos colegas que se opõem à senadora para se unirem em torno do nome dela já no primeiro turno. “Infelizmente companheiros nossos estão tomando [agora] a decisão que deveriam tomar daqui a dois meses”, afirmou, em referência a um eventual segundo turno entre Lula e o presidente Jair Bolsonaro (PL).

Marun se referia à ofensiva da ala emedebista que apoia Lula e que tentou adiar a convenção que escolheu Tebet. Na segunda-feira (25), filiado ao MDB de Alagoas protocolou junto ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) ação para cancelar a convenção do MDB nacional. BNews