foto reprodução sudoestehoje

Vitória da Conquista, terceira maior cidade da Bahia, registrou mais de 100 casos de violência sexual contra crianças no 1° semestre de 2023. Segundo a Polícia Civil, na maioria dos casos, os abusos foram cometidos por parentes ou pessoas próximas à família. “Na realidade, a gente acredita que essas crianças e esses adolescentes estão precisando de uma proteção maior dentro das suas casas. Toda vez que a denúncia chega na gente, a vítima já foi abusada cotidianamente”, disse a delegada do Núcleo de Defesa da Criança e Adolescente, Rosilene Moreira.

“Qualquer ato que simule uma conotação sexual, um beijo lascivo, pegar nas partes íntimas, convidar uma criança para uma situação de sexo, são crimes e devem ser denunciados”, explicou a delegada. O Centro Integrado dos Direitos da Criança e do Adolescente de Vitória da Conquista é a rede de proteção e de apoio no município. No local, funcionam vários serviços, entre eles o da escuta protegida.

“Antigamente essa escuta era feita dentro da sala de audiência, onde todos os operadores do direito estavam presentes, e que não era um ambiente inadequado para a criança e adolescente”, afirmou a entrevistadora forense Sílvia Azevedo.

Durante a escuta protegida, crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violência contam com atendimentos que garantem a proteção durante todo o processo judicial. Segundo os órgãos de segurança, a maioria das crianças que são abusadas sexualmente não sabe diferenciar afeto de abuso. Para mudar essa realidade, especialistas apontam que é preciso abordar a educação sexual com as vítimas, como forma de prevenção.

De acordo com os especialistas, além de abordar aspectos comportamentais e de saúde, a educação sexual também ajuda crianças a identificarem casos de abusos dentro e fora de casa. “A maior parte das crianças que passam pela violência são violentadas mais de uma vez. Os abusos sexuais são feitos de forma reiterada”, explicou a entrevistadora forense Sílvia Azevedo.