© Divulgação/ Governo do Estado do Rio de Janeiro

Depois de duas semanas internado em um hospital em São Paulo devido a um quadro de insuficiência cardíaca, o apresentador Fausto Silva anunciou que vai precisar de um transplante de coração. A Bahia não realiza o procedimento desde janeiro do ano passado e pacientes que precisam ser transplantados são transferidos para outros estados. Hoje, 58 pacientes aguardam para realizar o procedimento fora de casa. Entre 2010 e 2022, apenas quatro transplantes cardíacos foram feitos em território baiano.

O transplante é como a ponta do iceberg no tratamento de doenças cardíacas. Ou seja, o recurso final para manter um paciente vivo e saudável. A última cirurgia desse tipo foi feita na Bahia em 18 de janeiro de 2022, no Hospital Ana Nery. Desde então, todos aqueles que precisam receber um novo coração são colocados em listas de espera de outros estados. A falta de recursos financeiros e a prioridade para a realização de outras cirurgias, que não o transplante, justificam a suspensão do serviço, de acordo com a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab).

O histórico do estado na realização do procedimento é marcado por idas e vindas. Entre 2009 e 2014 nenhum transplante de coração foi feito na Bahia. Apenas em 2015, quando o Hospital Ana Nery (HAN) passou por uma reestruturação, a cirurgia foi realizada, em novembro. Os dois procedimentos seguintes só aconteceram três anos depois, em 2018. Até que em janeiro do ano passado, uma mulher que passou duas semanas sobrevivendo com o auxílio de máquinas que bombeiam o sangue foi a última paciente a passar pela cirurgia.

A previsão é de que o HAN volte a realizar o procedimento em outubro deste ano. Até que isso aconteça, pacientes precisam se afastar de familiares e amigos para enfrentar a espera por um coração em uma cidade distante, além de correr mais riscos diante da necessidade de transporte. O tempo médio de espera para a realização da cirurgia é de 6 meses a 1 ano.

“O transplante é a linha final de tratamento para os pacientes que têm insuficiência cardíaca. A transferência desses pacientes é de alto risco e envolve transporte aéreo”, explica o cardiologista Luiz Ritt, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Regional Bahia e professor da Escola Bahiana de Medicina. Em cerca de um ano e meio, o especialista participou do tratamento de ao menos quatro pacientes que precisaram ser transferidos.

Há um ano, a vida de Walker Roberto Pionorio Teixeira, de 56 anos, virou de cabeça para baixo. Depois de sentir falta de ar durante um almoço, o consultor de empresas foi internado às pressas e recebeu a notícia mais difícil e improvável que poderia ter. Os médicos lhe deram quatro dias de vida. Com um quadro grave de insuficiência cardíaca, ele precisava passar por um transplante de coração o mais rápido possível e foi transferido para hospital em Brasília.

Durante os 7 meses em que esperou um órgão compatível geneticamente, Walker Roberto enfrentou momentos de solidão e desesperança. Viu de perto a morte de 12 colegas de internamento que esperavam uma doação e sonhou incontáveis com a sua própria morte. “Enquanto eu estava em Salvador, todo dia tinha um familiar comigo. Em Brasília, às vezes eu passava a semana toda só com o acompanhamento do pessoal do hospital. É muito triste ficar aguardando na UTI e ver os óbitos de outras pessoas”, relembra.

Em fevereiro deste ano, depois de muita espera e vivendo graças a tratamentos que realizavam a função do coração, Walker Roberto recebeu a doação de um órgão compatível e a cirurgia foi um sucesso. Depois de um mês, ele recebeu alta e voltou para a capital baiana. “Hoje eu tenho 56 anos com um coração de 28. O doador era um ciclista que foi atropelado por um caminhão e a única coisa que deu para salvar foi o coração”, revela.

Segundo o cardiologista Luiz Ritt, um paciente com insuficiência cardíaca terminal tem chance de mortalidade de mais de 50% em um ano. “Já quando é transplantado, o paciente tem vida média de dez anos, sendo que pode passar pelo procedimento novamente”, ressalta.

Fila

Cada estado possui suas listas de transplante e os pacientes que aguardam na fila têm prioridade quando o órgão fica disponível na sua localidade. Somente quando não houver compatibilidade dentro dos moradores do estado, o órgão passa a ser disponibilizado para pacientes de fora. Apesar de a fila respeitar a ordem cronológica, quadros mais graves têm prioridade e, por isso, é comum que pacientes passem na frente de outros que aguardam a mais tempo. A Secretaria Nacional de Transplante, do Ministério da Saúde, é responsável pela organização da lista em caráter nacional.

São Paulo, Pernambuco, Ceará e Brasília são algumas das localidades que recebem baianos que aguardam um coração compatível para o transplante. Enquanto a Bahia realizou apenas quatro procedimentos em 13 anos, o Ceará fez 81 entre 2018 e 2021. Ao entrar na lista de outro estado, o paciente é transferido para aguardar in loco. A Sesab não informou quantos dos 58 pacientes baianos já estão nos estados em que farão a cirurgia e também não revelou qual o custo para manter o futuro transplantado e acompanhantes fora da Bahia.

“Existe a questão financeira porque o repasse do Ministério da Saúde não é adequado e a questão de priorização de outras atividades, como outras cirurgias cardíacas, e o transplante não emplacou”, justifica Eraldo Moura, coordenador do Sistema Estadual de Transplantes. Hoje, na Bahia, 3.262 pessoas aguardam por transplantes que são realizados no estado, de órgãos como rim, córnea e fígado. É o quinto estado com a maior lista do Brasil. Só neste ano, 541 procedimentos foram realizados.

Hábitos saudáveis diminuem a chance de necessidade de transplantes

A prevenção é ponto chave para evitar, em muitos casos, a insuficiência cardíaca que leva os pacientes a entrar na fila de transplante. ”A gente precisa trabalhar com prevenção porque a maioria dos casos que causam insuficiência cardíaca poderiam ser evitados. Precisamos cuidar da hipertensão, colesterol alto e do sobrepeso”, explica o cardiologista Luiz Ritt. Manter uma vida ativa, com a prática de exercícios físicos e sem consumo de cigarro, também diminui o risco de problemas de coração.

“A insuficiência cardíaca pode ser causada por infartos, doenças de Chagas, problemas de válvulas cardíacas, doenças do músculo cardíaco. O indivíduo começa a ter inchaço, sentir cansaço e isso culmina na necessidade de internações e, algumas vezes, transplantes”, diz Luiz Ritt. No caso de Walker Roberto, que passou pelo transplante em Brasília, a causa da insuficiência cardíaca não foi descoberta pelos especialistas.

Para o transplante ser realizado, o primeiro passo é que o médico responsável cadastre o indivíduo na lista de transplantes. Os pacientes que estão na fila são classificados de acordo com as necessidades médicas, que levam em conta o órgão que o receptor precisa e qual o estágio de gravidade da doença. Outro fator fundamental é a localização porque é preciso levar em conta o tempo de isquemia, que é o tempo de duração deste órgão fora do corpo. Correio da Bahia