foto alba

A Executiva estadual do União Brasil fechou questão e decidiu punir com o corte do fundo eleitoral no pleito deste ano os deputados que votarem a favor do pedido de empréstimo de US$ 400 milhões (cerca de R$ 2 bilhões) enviado pelo governador Jerônimo Rodrigues (PT) à Assembleia Legislativa.

A decisão foi firmada em uma reunião do comando partidário, realizada na segunda-feira (13), em Salvador, liderada pelo ex-prefeito da capital baiana ACM Neto. Também estiveram presentes os gestores da capital, Bruno Reis, e de Camaçari, Antonio Elinaldo, e o presidente da legenda na Bahia, deputado federal Paulo Azi, além dos deputados federais José Rocha e Leur Lomanto Júnior e de praticamente toda a bancada da sigla na Assembleia – a exceção foi Manuel Rocha, em viagem ao interior.

“Fechamos questão contra o empréstimo porque não há transparência do governo. Não há sequer informação no projeto sobre qual será a instituição financeira e nem para onde vai ser destinado o montante. Até custeio eles incluem. Não tem sentido assinarmos mais esse cheque avulso em branco”, declarou o líder da oposição na Assembleia, deputado Alan Sanches (União).

Alan confirmou que as sanções aos eventuais insubordinados vão desde o corte do fundo eleitoral – recurso repassado pelo partido para que o parlamentar possa ajudar nas campanhas dos candidatos das próprias bases – até, em última instância, a expulsão da legenda. O líder afirmou ainda que a Executiva do partido fechará questão sobre outros temas relevantes.

Vale lembrar que os deputados Marcinho Oliveira e Júnior Nascimento, ambos do União Brasil e ligados ao deputado federal Elmar Nascimento, votaram recentemente a favor do pedido de empréstimo de Jerônimo, no valor de R$ 400 milhões, para a área da segurança pública, segundo o projeto do Executivo. Os dois contrariaram a oposição e o próprio partido na ocasião. Sobre Elmar, ele não participou da reunião de hoje.

Hoje, segundo apurou o Política Livre com outros presentes na reunião, Marcinho divergiu sobre o fechamento da questão contra o empréstimo de R$ 2 bilhões, alegando que parte dos recursos serão destinados, entre outros investimentos na área de saúde, para a implantação de um hospital na região sisaleira. Entretanto, o deputado foi voto vencido.

Com a decisão, defendida com veemência por ACM Neto, resta aos deputados insatisfeitos se ausentarem das votações. Não há punição prevista para esses casos. A previsão é que a urgência do pedido de empréstimo seja votado nesta terça-feira (14), no plenário da Assembleia.

Se aprovada, essa será a sétima operação de crédito desde o início da gestão do governador Jerônimo Rodrigues, no montante que já chegou aos R$ 6 bilhões. O líder do União Brasil na Assembleia, Robinho, tem se colocado frontalmente contra esses projetos.