JHONY PINHO/ESTADÃO CONTEÚDO

Uma sinergia entre time e torcida com uma força e emoção que ainda não tinham sido registradas em 2022. Diante de mais de 25 mil pessoas, o Vitória venceu o vice-líder Paysandu, no Barradão, por 1×0, na tarde deste domingo (17), e entrou de vez na briga pelo G8 da Série C do Brasileiro. Para comemorar a reabilitação no campeonato, rolou até coreografia entre os jogadores e a galera da arquibancada depois do apito final.

O único gol do jogo foi marcado por Luidy, aos 16 minutos do segundo tempo, após a bola passar pelos pés de vários jogadores. Rafinha roubou a bola, Tréllez escorou na área, Eduardo serviu com capricho e Luidy assinou com precisão. Bola na rede e euforia, dentro das quatro linhas e na arquibancada.

Com o resultado, o Vitória somou 21 pontos e subiu quatro posições na tabela de classificação, ficando na 8ª colocação, dentro do grupo seleto de times que garantem vaga na próxima fase da competição. O feito inédito é alcançado após três triunfos consecutivos. Antes, o Leão já havia vencido Figueirense e São José-RS. Com o empate com o Altos-PI, já são quatro jogos invicto, todos sob o comando de João Burse, que estreou diante do adversário piauiense.

A 8ª colocação, no entanto, não será mantida até o fechamento desta 15ª rodada. Como a Aparecidense venceu o Altos-PI por 2×1 neste domingo, qualquer resultado no jogo entre Manaus e Volta Redonda tira o Vitória do G8. A partida será disputada na segunda-feira (18), às 20h, na Arena da Amazônia, em Manaus. Se o São José-RS vencer o duelo deste domingo, contra o Confiança, no estádio Batistão, em Aracaju, o rubro-negro deixa antes o grupo de protagonistas.

De qualquer forma, o Vitória entrou de vez na briga por uma vaga na próxima fase da Série C e terá nova chance de se firmar no G8 no próximo domingo (24), às 17h, quando visita o Ferroviário, no estádio Presidente Vargas, em Fortaleza. O Paysandu, que se manteve com 26 pontos e na 2ª colocação, recebe o Figueirense, no dia 25, às 18h, no estádio da Curuzu, em Belém.

Na espera

A arquibancada lotada colocou fogo no clima do jogo e o Paysandu tratou de esfriar os ânimos após o apito inicial. O time visitante apostou na troca de passes moderados nos minutos iniciais até fazer a primeira investida ofensiva, aos 14. Após assistência de Robinho, Marcelo Toscano bateu forte e chamou o goleiro Dalton para o jogo.

Com dificuldade para furar a defesa do time paraense, o Vitória optou por aguardar o adversário para jogar no contra-ataque. O primeiro lance perigoso protagonizado pelo rubro-negro foi registrado aos 35 minutos. Eduardo aproveitou uma sobra de bola e encheu o pé contra a meta de Thiago Coelho.

A partir daí o Vitória passou a se lançar mais na busca por abrir o marcador no Barradão. Nos acréscimos, Dionísio, de cara para o gol, se atrapalhou e desperdiçou oportunidade depois de falha do zagueiro Douglas.

Força no Barradão

O segundo tempo começou na mesma pegada, com o Leão pressionando o Paysandu. Luidy aproveitou sobra de bola e bateu com força, de primeira. Assustou o goleiro Thiago Coelho, mas errou o alvo e mandou para fora. No lance seguinte, melhor para o atacante, que ajustou a pontaria e abriu o placar do Barradão.

Aos 16 minutos, Rafinha aproveitou saída errada do Paysandu, roubou a bola e tocou para a área. Tréllez escorou e deixou com Eduardo. O meia leu bem o campo e deu passe açucarado para Luidy, que bateu firme e estufou a rede: 1×0 e muita festa da galera rubro-negra na arquibancada.

O Paysandu, que antes da mudança no placar havia colocado uma bola por cima do travessão com Marcelo Toscano, sentiu o gol sofrido. Tentou reagir aos 25, quando Serginho chutou rasteiro e viu Dalton defender sem muita dificuldade.

Na busca pelo empate, o time visitante se viu em situação ainda mais delicada no jogo aos 34 minutos, quando Marcão, que havia acabado de entrar em campo, fez falta em Dionísio sem bola e foi expulso de campo.

Em desvantagem numérica, o Papão precisou segurar o ímpeto do Vitória. Aos 37, Tréllez cabeceou de dentro da área. A bola tinha endereço certo, mas Thiago Coelho fez grande defesa e, com um tapa, evitou a redonda beijasse a rede mais uma vez. No rebote, Rafinha ainda chutou, mas a zaga conseguiu mandar para fora.

Aos 40, o Paysandu quase consegue o empate, mas Dalton salvou. Douglas mandou um voleio de dentro da área, mas o goleiro rubro-negro foi quem comemorou. Com o apito final, muita festa rubro-negra no Barradão, dentro e fora de campo.

Conteúdo Correio